• Autor Osho
  • Ilustrador
  • Coleção Esgotados
  • ISBN 9789896681357
  • PVP 15,98 € (IVA incluído)
  • preço livre
  • 1ª Edição novembro de 2011
  • Edição atual
  • Páginas 192
  • Apresentação Capa mole
  • Dimensões 150 x 230 x 12 mm
  • Idade

Numa época de crise económica e de valores, as pessoas reavaliam o seu propósito de vida e procuram respostas para questões profundamente humanas e que as coloquem no caminho da espiritualidade.

Em Destino, Liberdade e Alma, OSHO responde a questões intemporais e profundamente humanas, tais como:  

* A alma existe? Em caso afirmativo, o que é?

* Onde é que o conceito de karma se encaixa na nossa vida?

* Será que a minha vida tem um propósito ou um significado espiritual?

OSHO foi um dos maiores guias espirituais do século XX. A sua vida e as suas mensagens influenciaram milhões de pessoas de todas as idades, culturas e religiões. Foi descrito pelo Sunday Times de Londres como um dos "1000 Construtores do Século XX" e pelo Sunday Mid-Day da Índia como uma das dez pessoas - como Gandhi, Neru e Buda - que mudaram o destino daquele país. 

Osho disse que com o seu trabalho estava a ajudar a criar as condições para o nascimento de um novo tipo de ser humano. Ele descreveu muitas vezes este novo tipo de ser humano como "Zorba, o Buda" - capaz de desfrutar dos prazeres terrenos, como Zorba, e também de gozar a serenidade silenciosa de um Buda Gautama. A visão que perpassa toda a sua escrita abrange tanto a sabedoria eterna do Oriente como o elevado potencial da ciência e tecnologia ocidentais. 





Outros livros do mesmo autor

Fama, Fortuna e Ambição

Osho

Numa época de crise económica e de valores, as pessoas reavaliam o seu propósito de vida e procuram respostas para questões profundamente humanas e que as coloquem no caminho da espiritualidade.

Inocência, Conhecimento e Deslumbramento

Osho

OSHO examina os sintomas externos e a psicologia subjacente nas nossas preocupações com a fama, o dinheiro e o poder pessoal.

Poder, Política e Mudança

Osho

Este livro pega na conhecida máxima «o poder corrompe» e propõe, ao invés, que aqueles que procuram o poder já são corruptos. O poder apenas traz a corrupção delas para a superfície.